Ao utilizar este site, concorda com o uso de cookies de acordo com a nossa Política de Cookies.

concordo

Conheça melhor:

Pedro de Castro

(29 Agosto, 1977)

Pedro de Castro nasceu em São Paulo, em 29 de agosto de 1977, em virtude da passagem dos seus pais pelo Brasil. Viveu a sua infância em Cascais, onde ainda hoje reside. O seu pai era músico profissional, tocava baixo, piano e fez parte da banda da Marinha e de algumas bandas dos anos 60. Para além disso, sempre teve grande proximidade com a comunidade do Fado, os artistas eram presença regular em casa dos seus pais.

O seu percurso musical começou aos 5 anos, quando começou a ter aulas de piano. Só mais tarde, aos 14 anos, e por influência do guitarrista José Luís Nobre Costa, que viria a ser o seu mestre, é que se começou a dedicar à guitarra portuguesa. Desde essa altura em que se apaixonou pelo instrumento, nunca mais o largou. José Luís Nobre Costa convidava-o a ir às Casas de Fado onde actuava para ficar ao lado dele a começar a reconhecer os acordes e testemunhar na primeira pessoa as particularidades musicais do Fado. Começou no Arreda e posteriormente passou para o Amália Clube Clube de Fado, onde começou nume fase embrionária a acompanhar alguns fadistas.

Desde então, Pedro de Castro tornou-se um virtuoso da guitarra portuguesa, um músico extraordinário, que domina o instrumento com a agilidade e a mestria de quem nasceu já com essa vocação. Já acompanhou e gravou com grandes vozes do Fado, como Ana Sofia Varela, Carlos Zel, Rão Kyao, Hélder Moutinho, Ricardo Ribeiro, Kátia Guerreiro, João Braga ou Celeste Rodrigues. Mas o disco que mais se orgulha de ter gravado foi o Há Guitarra, com José Luís Nobre Costa e no qual participam igualmente Joel Pina e Francisco Gonçalves.

Além de músico, Pedro de Castro é o fundador da Associação do Fado Casto e a alma da Mesa de Frades, a Casa de Fados que imaginou para a nova geração. O ambiente singular proporcionado pela antiga capela onde está instalada e o elenco notável de fadistas que ali se reúnem fazem deste espaço um ícone na noite lisboeta.

 

Fonte:

Entrevista conduzida por Nuno Pacheco, in Público, 12 de janeiro de 2018