Ao utilizar este site, concorda com o uso de cookies de acordo com a nossa Política de Cookies.

concordo

Primavera, David Mourão Ferreira

19 Maio, 2007 a 31 Outubro, 2007

img

Desde meados do século XX, a história do Fado tem correspondido a um trajecto de consagração. Cruzando influências musicais e culturais diversas, o Fado usufruiu dos novos públicos que o teatro de revista, a rádio, a gravação em disco e o cinema, progressivamente, lhe trouxeram. Internacionalizando-se a partir da primeira metade do século XX, o Fado foi instrumento de divulgação de temas de raiz popular do universo da cidade de Lisboa e de difusão mais geral da cultura portuguesa. O seu trajecto confunde-se com a evolução da própria cidade e da sua população, que através dele animou e partilhou espaços lúdicos.

Neste percurso de consagração, a multifacetada figura de David Mourão-Ferreira, (1927-1996) – poeta, ensaísta, ficcionista, jornalista, professor, tradutor – assume um plano de absoluta centralidade, protagonizando um dos mais relevantes momentos da história da canção urbana de Lisboa, marcado pelo encontro da poesia erudita com o universo fadista para a qual concorreram, para além de David, as carismáticas figuras de José Régio, Pedro Homem de Mello, Luíz de Macedo, Alexandre O’Neill, Cecília Meireles, José Carlos Ary dos Santos, Manuel Alegre, entre outros.

Patente no Museu do Fado a partir do dia 18 de Maio, Dia Internacional dos Museus, esta exposição temporária apresenta uma recriação do escritório do autor, trazendo a lume os testemunhos da obra poética que consagrou ao fado, entre manuscritos originais e letras dactilografadas, as primeiras edições discográficas que consagraram estes temas, a par de um conjunto de registos audiovisuais que ilustram as interpretações de poemas da sua autoria por Amália Rodrigues, Camané, Mariza e Cristina Branco, entre outros.

Integram o vasto repertório de fados de David Mourão-Ferreira os poemas Primavera, Libertação, Barco Negro, Solidão, Madrugada de Alfama, Maria Lisboa, Abandono, Escada sem Corrimão, Aves Agoirentas, As Águias, Anda o Sol na Minha Rua, Neblina, Fado das Noites de Alfama, Labirinto, entre outros. Cerca de 900 livros, de autores nacionais e estrangeiros, foram especificamente recolhidos, da biblioteca de David Mourão-Ferreira, para figurarem na exposição do Museu do Fado.

 

Foto: José Frade | Museu do Fado

Foto: José Frade | Museu do Fado

Foto: José Frade | Museu do Fado

Foto: José Frade | Museu do Fado

Foto: José Frade | Museu do Fado

Foto: José Frade | Museu do Fado

Foto: José Frade | Museu do Fado

Foto: José Frade | Museu do Fado

Foto: José Frade | Museu do Fado