Ao utilizar este site, concorda com o uso de cookies de acordo com a nossa Política de Cookies.

concordo

Conheça melhor:

Joana Almeida

(05 Dezembro, 1997)

É uma das mais recentes revelações do fado. Joana Almeida é jovem, mas é a prova viva de que não há idade para interpretar a emoção de um poema e para viver o fado na sua plenitude, por inteiro.

Nasceu e cresceu em Felgueiras. O fado sempre esteve presente, mesmo que inicialmente não imaginasse que esta seria a sua vida. O pai teve um papel importante nessa sua descoberta. Desde muito pequenina que Joana Almeida se lembra de ouvir o pai a cantar e a tocar fados, ainda que de forma amadora. Certamente que algo começou a germinar dentro de si, aos poucos, mesmo sem a plena consciência do caminho que ainda iria tomar.

Aos 12 anos entrou no Conservatório para aprender a tocar piano. A timidez levava-a a cantar apenas sozinha, em casa. Mas por volta dos 17 anos algo mudou. Começou a cantar sem pruridos, explorando os mais diversificados géneros musicais: as canções pop; o coro da igreja; até de uma banda de metal fez parte. E foi com essa mesma idade que se apaixonou pelo fado, o fado que desde criança ouvia o pai a cantar.

Se hoje quando ouvimos Joana Almeida sentimos que interpreta os poemas com uma virtude única, não é de admirar que tenham sido precisamente os poemas que tenham despertado o seu interesse pelo fado.

Quando essa paixão pelo fado se acende, nunca mais pára. Aliás, foi ainda com 17 anos que Joana Almeida foi vencedora do 2.º Grande Prémio Nacional do Fado da RTP 1. E de repente tudo muda. Esta vitória levou a que começassem a surgir convites para cantar nas casas de fado em Lisboa e, nesse mesmo ano, muda-se para a capital, para onde foi estudar Gestão de Empresas. E apesar da grande mudança, rapidamente se apaixona também pela cidade.

Desde então, já passou por muitas e importantes casas de fado de Lisboa, como o Fado Ao Carmo, Luso, Maria da Mouraria, Parreirinha de Alfama, Mesa de Frades, Tasca do Chico, Mascote da Atalaia e o Páteo de Alfama.

Ao longo do seu percurso, foi-se cruzando com importantes nomes do fado. Ana Sofia Varela é hoje a sua madrinha de fado. Os guitarristas Samuel Cabral e Pedro Castro foram também muito importantes.

Rapidamente o seu talento se revelou, o que a levou a outros palcos além das casas de fado. Em 2016 e 2017 subiu ao palco dos festivais Caixa Alfama e Caixa Ribeira, respetivamente. Também em 2017 atuou na Casa da Música, e um ano depois no Centro Cultural de Belém, num concerto que foi particularmente importante para si.

Fez também parte das visitas cantadas do Museu do Fado, onde chegou a integrar o elenco que homenageou a fadista Maria Severa, além de ter sido convidada para participar no álbum JazzInFado, disco que une as melhores canções do fado e os seus melhores intérpretes a alguns dos mais importantes músicos do jazz latino, uma ideia do músico e produtor cubano Óscar Gomez. Carlos do Carmo, António Zambujo, Marco Rodrigues, Ana Bacalhau, Carminho ou Hélder Moutinho foram alguns dos nomes a que Joana Almeida se juntou neste disco.

Lançou a 14 de fevereiro de 2020 o seu muito aguardado álbum de estreia, intitulado “Deslumbramento”, com produção de Tiago Machado.

 

Fonte:

Universal Music

Joana Almeida. Foto de Paulo Segadães / Universal Music

Joana Almeida em concerto. Foto de José Frade

Joana Almeida em concerto. Foto de José Frade

Joana Almeida em concerto. Foto de José Frade

Joana Almeida no Museu do Fado. Foto de José Frade

Joana Almeida no Museu do Fado. Foto de José Frade

Joana Almeida no Museu do Fado. Foto de José Frade