Ao utilizar este site, concorda com o uso de cookies de acordo com a nossa Política de Cookies.

concordo

Conheça melhor:

Carolina Redondo

(04 Abril, 1909 - 13 Dezembro, 1982)

Carolina Redondo nasceu em Setúbal e começou a cantar, ainda criança, no coro da igreja. Casou com o cantor Francisco António Azevedo e foi nessa altura que deixou a sua terra natal. Em 1931, em Aljubarrota, por o seu marido ter enrouquecido, fez a sua estreia como amadora que resultou num tremendo sucesso (cf. “Canção do Sul”, 16 de Julho de 1936), tendo percorrido então grande parte do nosso país e Espanha.

Dois anos depois, em 1933, enquanto se apresentava no Teatro Recreio do Povo, em Setúbal, o então delegado da Inspecção Geral de Espectáculos, Dr. Mealha, ofereceu-lhe o cartão de cantadeira profissional. Mas a sua estreia como cantadeira profissional acontece apenas em 1935, no distinto Café Luso, onde o público a “obrigou” a cantar sete vezes seguidas (cf. Vítor Machado (1937): 79).

Cantou em inúmeras festas de beneficência, no Royal Cine, no salão de festas da Voz do Operário, no Cinema Odeon, no Café Ginásio e nas casas de fado mais emblemáticas da sua época como o Retiro da Severa, o Solar da Alegria, os Cafés Mondego e Luso e, mais tarde, a Márcia Condessa.

Carolina Redondo viria a ficar precocemente viúva mas continuaria a cantar, nomeadamente nos espectáculos de fado e variedades do empresário Júlio Gonçalves Giblote. Viria a casar com o filho deste empresário na década de 40, deste casamento Carolina Redondo teve 3 filhos. Do seu primeiro casamento tinha já um filho, João Azevedo que, também ele, iria seguir uma carreira artística.

Carolina Redondo ficou conhecida como a "Cantadeira de Setúbal", e tinha a particularidade de carregar nos rr quando falava, o que lhe dava um estilo muito personalizado nas interpretações e resultou na criação de alguns dos fados mais populares do seu repertório como os temas “A Minha Pronúncia”, escrito pelo poeta Clemente José Pereira e, mais tarde, gravado por Argentina Santos; e o poema de Adriano dos Reis “Sem Erres”.

 

Fonte:

“Canção do Sul”, 16 de Julho de 1936

“Canção do Sul”, 1 de Agosto de 1936

“Canção do Sul”, 16 de Outubro de 1936

Machado, Vítor (1937), “Ídolos do Fado”, Tipografia Machado

Carolina Redondo, Livro "Idolos do fado", 1937

Carolina Redondo, década de 40

Artigo de jornal | Newspaper article, Canção do Sul, 16 de Outubro | October 16, p. 3

Praça de Toiros de Algés, 1939