Ao utilizar este site, concorda com o uso de cookies de acordo com a nossa Política de Cookies.

concordo

Conheça melhor:

Bruno Chaveiro

Bruno Chaveiro nasceu em Morges, pequena localidade na Suíça, em 1993. Filho de portugueses emigrantes, desde sempre teve “saudades” de casa. Terá sido este sentimento o ponto de partida para que, com apenas 7 anos de idade, já de volta a Portugal, tenha começado a aprender viola de Fado na terra de origem dos seus pais, Montemor-o-Novo. Desde então que o Fado faz parte da sua vida. Aos 11 anos apresenta-se pela primeira vez em palco. Mais tarde, com 15 anos, atreve-se a experimentar a guitarra portuguesa, apaixonando-se de imediato. Começa então a estudar e a debruçar-se sobre este instrumento ficando a viola de Fado cada vez mais para trás. Em 2010 passa a dedicar-se em exclusivo à guitarra portuguesa, com apenas 17 anos de idade, começando a ser requisitado por algumas casas de fado em Lisboa.

Em 2016 termina a licenciatura em Guitarra Portuguesa no Instituto Politécnico de Castelo Branco com nota máxima (20 valores na execução do instrumento) e assume Lisboa como a sua morada certa.

Tem colaborado com alguns dos mais conceituados artistas do panorama musical português, como Raquel Tavares, Mísia, Pedro Moutinho, Fábia Rebordão, Jorge Fernando, Celeste Rodrigues, Carminho, Cuca Roseta, Buba, Marco Rodrigues e Ana Laíns, entre outros. Paralelamente, torna-se músico residente na Casa de Linhares, onde trabalha regularmente com Jorge Fernando.

“Desatino” é o seu disco de estreia a solo. Lançado recentemente, nasce da vontade do instrumentista em partilhar com o público as suas próprias criações e as músicas que elege como suas preferidas. Vontade esta aliada a 17 anos de vivência no Fado, 10 anos a tocar guitarra portuguesa e 5 anos a viajar pelo mundo em prol do Fado e da Música Tradicional Portuguesa. Um álbum inovador no que concerne ao repertório e aos arranjos, sem deixar de evocar o património de alguns dos maiores guitarristas portugueses como Fontes Rocha, José Nunes, Domingos Camarinha, Casimiro Ramos e Custódio Castelo, além do seu próprio repertório e composições.