Ao utilizar este site, concorda com o uso de cookies de acordo com a nossa Política de Cookies.

concordo

Há Fado no Cais

Telmo Pires

Telmo Pires nasceu em Bragança e com dois anos de idade passou a viver em Essen, na Alemanha. Descobriu desde jovem a sua ligação às raízes portuguesas e à música tradicional, especialmente ao Fado.

Em 2001 lançou o primeiro álbum, Chansons-Fado-Lieder, uma edição de autor que juntava músicas de língua francesa, alemã e inglesa, assim como adaptações de fados.  Muda-se para Berlim e forma uma banda com músicos de raízes no jazz. Em 2004 assina com a editora alemã de jazz Traumton Records e edita o seu primeiro álbum inteiramente em língua portuguesa, Passos, com seis temas de sua autoria. Em 2009 segue-se o álbum Sinal, em parceria com a pianista alemã Maria Baptist. A RTP acompanha o concerto de estreia em Berlim.  Em 2011 inicia a colaboração em Lisboa com o músico e produtor Davide Zaccaria. Em 2012 edita o álbum Fado Promessa e dá os primeiros concertos em Portugal e em vários países europeus.

Em 2014 faz a primeira de várias atuações no Museu do Fado e em 2016 lança o disco Ser Fado, juntando fados tradicionais com novos poemas e temas inéditos. Ser Fado inclui um tema inédito de António Variações — Ao passar por Braga abaixo — oferecido a Telmo Pires pelos irmãos de Variações, na pessoa de Jaime Ribeiro.

Em fevereiro de 2020 lança Através do Fado depois de uma digressão de oito concertos na Alemanha, que levou o fadista a pisar pela primeira vez o palco da Berliner Philharmonie.

Telmo Pires considera Através do Fado «um álbum puro»:  guitarra portuguesa, viola de fado e baixo. À exceção do tema Uma flor de verde pinho, de Manuel Alegre e José Niza, com um novo arranjo de cordas de Davide Zaccaria. Inclui também dois temas inéditos: Só o meu canto, uma melodia forte com a reflexão de que nada nos pertence e No espelho, cantado no Fado Vianinha de Francisco Viana, a capela. Através do Fado conta ainda com o belíssimo poema Sem peso ou medida de Tiago Torres da Silva, cantado no Fado Cravo de Alfredo Marceneiro e Não sou nascido do Fado da autoria da cantora, fadista e amiga Ana Laíns, cantado no Fado Lopes de Mário José Lopes. Com Era uma vez Telmo Pires criou um fado-canção melódico que convida a dançar, cuja letra fala ironicamente do que se vive atualmente na «cidade mais linda do mundo»: «Era uma vez, toda a gente se juntava, para à noite ir à farra lá na tasca do Marquês, mas hoje em dia, está tudo remodelado, neste hostel não há fado nem se percebe português!»

É este percurso, e sobretudo os temas do último disco, que Telmo Pires leva, neste concerto, ao palco do CCB.

 

Foto: ©Ismael Prata

Co-produção: Museu do Fado | EGEAC e CCB

 

©Ismael Prata

©Ismael Prata

©Ismael Prata