Museu do Fado
siga-nos em:
Personalidades
 
Joaquim Silveirinha
( 25 Fevereiro, 1925 - 24 Abril, 1975 )
Sem nunca deixar a sua profissão de Mecânico de Construção Naval e, nas horas vagas, Motorista de Praça, Joaquim Silveirinha tornou-se profissional do Fado em 22 de Dezembro de 1945, no “Retiro dos Marialvas”.

Joaquim Silveirinha nasceu em Lisboa, no bairro da Madragoa, no dia 25 de Fevereiro de 1925.

Conforme ele próprio confessou: "Já em miúdo, quando jogava o peão e a bola de trapos, ia cantando o Fado". (cf. Guitarra Portugal 15 Abril 1947)

Estreou-se como amador nos "Vendedores de Jornais Futebol Clube" aos 18 anos, começando a ir a Festas de Benefício, passeios e almoços “fora de portas”.

"Sinto-me melhor nos arredores a cantar para amigos. Adorei um almoço em Colares onde fui delirantemente aplaudido" (cf. Guitarra Portugal 15 Abril 1947)

Concorreu ao “Concurso de Outono”, levado a efeito pelo jornal “Canção do Sul” e, contrariando o pai, enveredou pela carreira artística.

Sem nunca deixar a sua profissão de Mecânico de Construção Naval e, nas horas vagas, Motorista de Praça, Joaquim Silveirinha tornou-se profissional do Fado em 22 de Dezembro de 1945, no “Retiro dos Marialvas”.

Sobre o seu repertório pessoal disse:

"Canto Domingos Silva, José Almeida Rodrigues, Delfim Silva e António Augusto Ferreira. Não tenho letras de poetas consagrados. Tenho promessas de João da Mata (que tem desculpa devido à doença), Carlos Conde, Francisco Radamanto. Tenho uma letra de Sá Esteves e outra de J. S. Caperta. (...) O artista não pode brilhar sem um bom repertório. Mas ainda o Júlio Guimarães disse hoje que muitos poetas não escrevem porque têm sido prejudicados. Há uma falta de respeito pelos autores." (cf. Guitarra Portugal 15 Abril 1947)

Gravou vários discos, a solo ou em conjunto com outros colegas (Natércia da Conceição, Fernando Farinha, Luísa Salgado, Estela Alves), sendo acompanhado por nomes como Álvaro Martins e Raul Nery e Armandinho (Guitarra), José Maria de Carvalho, Castro Mota e Júlio Gomes (Viola).

No seu percurso artístico destaca-se também a passagem pela rádio, tendo cantando no Rádio Clube Português, Rádio Graça, Rádio Peninsular, etc.

Faleceu a 24 de Abril de 1975 e está sepultado em Jazigo no Cemitério dos Prazeres.

Selecção de fontes de informação:
“Guitarra de Portugal”, 15 de Abril de 1947;
“Ecos de Portugal”, 01 de Maio de 1951

Última actualização: Maio de 2008