Museu do Fado
siga-nos em:
Personalidades
 
João da Mata
( - 1947 )
Guitarrista e poeta popular, chegou a ter com Alfredo Correeiro, na Rua do Benformoso, nº85, uma casa de bebidas e comidas denominada Arcádia Bairrista, frequentada pelos fadistas da época.

João da Mata nasceu em Cascais mas, aos 10 anos, depois da instrução primária, os pais fixaram-se em Lisboa, no velho bairro da Bica, onde escreveria os primeiros versos para o cantador Manuel Serafim, também da Bica.

Guitarrista e poeta popular, chegou a ter com Alfredo Correeiro, na Rua do Benformoso, nº85, uma casa de bebidas e comidas denominada Arcádia Bairrista, frequentada pelos fadistas da época.

Foi director do jornal Canção Nacional (1927/1928).

"No «Niassa» partiram anteontem (29 Julho 1933) para as Colónias os artistas que compõem o Grupo Artístico de Fados: Berta Cardoso, Madalena de Melo, Armando Augusto Freire (Armandinho), Martinho d'Assunção Júnior e João da Mata." (Cf. Guitarra de Portugal de 31 de Julho de 1933)

Em Dezembro de 1933 casou com a cantadeira Madalena de Melo, em África, onde ambos se encontravam em digressão. (Cf. Guitarra de Portugal)

"Dos portos das Áfricas Oriental e Ocidental regressaram no dia 15 (Abril de 1934) a Lisboa no paquete «Mouzinho» os senhores Martinho d'Assunção Júnior, João da Mata e a cantadeira Manuela de Melo, artistas que faziam parte do extinto «Grupo Artístico de Fados». Deste grupo faltam regressar o guitarrista Armandinho e a cantadeira Berta Cardoso" (Cf Guitarra de Portugal de 21 de Abril de 1934)

No dia 28 de Outubro de 1939 partiu para o Alentejo integrando um novo agrupamento de que também faziam parte Mariana Chagas, Maria Silva e Georgino de Sousa" (Cf. Guitarra de Portugal 25 Outubro de 1939)

Em 1946 adoece e é internado no Hospital D Estefânia. Em Outubro do mesmo ano a Guitarra de Portugal dava conta que: "Recolheu à sua residência, após 40 dias de hospitalização, este nosso prezado amigo que se encontra em vias de restabelecimento. A João da Mata que há 3 meses foi forçado a abandonar a sua actividade neste jornal, desejamos uma convalescença rápida e um breve regresso ao nosso convívio" (Cf. Guitarra de Portugal de 15 de Outubro 1946).

Um ano após a sua enfermidade, João da Mata virá a abandonar as funções de editor e redactor da “Guitarra de Portugal”: (Cf. Guitarra de Portugal de 15 Fevereiro 1947).

"João da Mata agradece a solidariedade prestada pela Guitarra de Portugal. Por nada tem que nos agradecer nem nenhum de quantos lutaram e trabalharam pela Canção Nacional e hoje se vêm impossibilitados de o fazer. Lamentamos apenas que os produtos dos nossos espectáculos e os nossos fundos nos não permitam mais, como desejaríamos." (Guitarra de Portugal, 15 de Março 1947).

Em 1947 virá a falecer na cidade que o viu crescer.

Selecção de fontes de informação:
“Guitarra de Portugal” de 31 de Julho de 1933
“Guitarra de Portugal” de 21 de Abril de 1934
“Guitarra de Portugal” 25 Outubro de 1939
“Guitarra da Portugal”, 1 Outubro de 1946
“Guitarra de Portugal” de 15 de Outubro 1946
“Guitarra de Portugal” de 15 Fevereiro 1947
“Guitarra de Portugal”, 15 de Março 1947

Última actualização: Setembro/ 2008